sábado, 13 de junho de 2015

Em (des)construção...



Aqui estou eu.  É engraçado como em 4 anos muita coisa muda. O tempo passa e a única certeza que tenho é que pouca coisa eu sei... quase nada. É engraçado perceber que com o tempo muito das minhas certezas e verdades inquestionáveis, caíram por terra. Na verdade estou em permanente desconstrução... essa é a palavra do dia!

Mais do que nunca, o tão conhecido versículo "Não vos conformeis com este mundo, mas transformai-vos..." faz sentido para mim. TRANSFORME-SE, gritam-me os versos sagrados. Essa orientação vem de encontro à minha necessidade: Não me conformar com o desenrolar desse mundo.

Não consigo aceitar que devo seguir o fluxo e achar impossível que alguma mudança possa acontecer. Não consigo me adaptar, achar natural. Para mim há algo muito fora do lugar no mundo conforme o conhecemos. Não há nada de saudável na maioria das nossas relações. Não há nada de normal na forma como nos vemos. É totalmente prejudicial a forma como tratamos a natureza, esquecendo-nos que tudo, não só no planeta, mas no universo, é integrado.

É totalmente clichê, por ser batido, mas é uma verdade para mim: Preciso ser a mudança que quero ver no mundo. Preciso mudar a forma como me relaciono com amigos, familiares, namoradxs.

Preciso exercitar a horizontalidade nos meus relacionamentos, por que, afinal, todxs fazemos parte do mesmo corpo. Sem vaidades, sem egocentrismo, sem relações de poder. Sem me achar a dona do saber.

O caminho rumo a uma outra forma de enxergar o mundo, a si próprio e a/o outra/o, é difícil. Como diria Jesus, é estreito. Exige esforço, mas é caminho de vida. Esse mundo é passageiro, mas o reino de Deus já está presente, e no reino não há lugar para reproduções de opressões. Transforme-mo-nos, então.